segunda-feira, 28 de março de 2011

Quem sou eu?

Uma criança?
Um adulto?
Um jovem cheio de dúvidas?
Perguntas sem saber a quem pedir ajuda

Uma pessoa que demostra força
Mas na verdade é sencível e imaturo
Magoei pessoas que amei
Na tentativa de proteje-las

Não sei demostrar o que sinto
Sou mais um jovem perdido
Sem saber qual será o próximo passo
Na busca de respostas para suas perguntas

By: Luiz Mello/Março de 2011

Aconteceu assim...

Eu quis ser seu amigo
E acho que consegui
Não quis entrar na sua vida
Mas foi assim que aconteceu

Não sabia o que o destino queria
E então deixei tudo rolar
Nós demos as mãos varias vezes
Mas tive medo de tentar

Eu dei conselhos
Querendo realizar teus desejos
Eu falei meus planos
Sofrendo leves enganos

Desejei o brilho do teu olhar
Coisa pura que nunca vou ter
Tentei te proteger
Se consegui? Nunca vou saber...

Hoje eu olho o destino
Torto, mal e divertido como um menino
Mas tudo que fiz
Foi só pra te ver feliz...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Perdido no tempo

Quando esta calada
A minha razão se perde
Quando você não olha
Me lembra uma derrota

Eu lembro do que é para ser esquecido
Sou apenas um desconhecido
Um desconhecido perdido
Vou te tendo como sentido

Não precisa ter medo
Minha alma quer sussego
Não é minha opção você como meu desejo
Minha garganta sufoca diante do seu jeito

Calada, me lembro desse medo
Essa é a razão do desconhecido
Olhar perdido, sem opção do destino
A derrota que sinto é seu jeito longe de mim, desse desconhecido.