segunda-feira, 30 de maio de 2011

Realidade dos meus sonhos

Um sonho muda qualquer realidade
Principalmente quando o peito arde
Um sonho destrói qualquer razão
Atingindo a sua imaginação

Ela te beija e te deseja
Ela não te olha, nem suporta
Como pode ser assim?
Nos sonhos, descubro esse idiotismo em mim

Um sonho é só um sentimento em ação
Um sentimento é só uma vontade
A vontade pode se tornar realidade
Mas uma realidade longe de ser verdade.

domingo, 22 de maio de 2011

A chuva

A chuva guarda tantos desejos,
Tantos anseios, tantos sonhos,
Tanta coisa... que começo a achar
Que fiz dela meu diário

Seu cheiro é inconfundível
Cheiro de areia molhada
Cheiro de um antigo amor
Cheiro de dias especiais

Agradeço cada dia, cada noite
Quando após a chuva
Surge o céu limpo ou pintado
Tanto faz, minha felicidade é a mesma

Eu fico lá, feito um tonto
Procurando respostas nas estrelas
Como se pudesse lê-las e ver o futuro
Como se pudesse voltar no tempo

Mas logo meu sono vem
É quando eu percebo a realidade
Um dia eu vou ter que deixar tudo
Mas só por uma noite...

Espero sorrir assim para sempre
A chuva será meu diário
Os dias serão as páginas
E o céu meu mais belo sonho.

(Rogério Fernandes 22/05/2011 23:59)



domingo, 24 de abril de 2011

Pra que sonhar, se posso realizar?


E eis que um dia não sonhei
Não porque não quis
Era só porque não precisava
Tudo que vivia me impressionava

Então, no meu mundo
Sonhos não eram só mentiras
Amigos não eram só imaginários
Nem amores eram impossíveis

Tudo foi tão mágico
Que faria tudo novamente
Teria essa sensação permanente
E me encontraria aqui, feliz...

E porque não dizer satisfeito?
(Rogério Fernandes - 24 de Abril de 2011) Till we die.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Quem sou eu?

Uma criança?
Um adulto?
Um jovem cheio de dúvidas?
Perguntas sem saber a quem pedir ajuda

Uma pessoa que demostra força
Mas na verdade é sencível e imaturo
Magoei pessoas que amei
Na tentativa de proteje-las

Não sei demostrar o que sinto
Sou mais um jovem perdido
Sem saber qual será o próximo passo
Na busca de respostas para suas perguntas

By: Luiz Mello/Março de 2011

Aconteceu assim...

Eu quis ser seu amigo
E acho que consegui
Não quis entrar na sua vida
Mas foi assim que aconteceu

Não sabia o que o destino queria
E então deixei tudo rolar
Nós demos as mãos varias vezes
Mas tive medo de tentar

Eu dei conselhos
Querendo realizar teus desejos
Eu falei meus planos
Sofrendo leves enganos

Desejei o brilho do teu olhar
Coisa pura que nunca vou ter
Tentei te proteger
Se consegui? Nunca vou saber...

Hoje eu olho o destino
Torto, mal e divertido como um menino
Mas tudo que fiz
Foi só pra te ver feliz...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Perdido no tempo

Quando esta calada
A minha razão se perde
Quando você não olha
Me lembra uma derrota

Eu lembro do que é para ser esquecido
Sou apenas um desconhecido
Um desconhecido perdido
Vou te tendo como sentido

Não precisa ter medo
Minha alma quer sussego
Não é minha opção você como meu desejo
Minha garganta sufoca diante do seu jeito

Calada, me lembro desse medo
Essa é a razão do desconhecido
Olhar perdido, sem opção do destino
A derrota que sinto é seu jeito longe de mim, desse desconhecido.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Uma boa cicatriz

Um dia minha cara tocou o chão
Não cai, não
Não foi porque desabei
Foi porque meu amor te dei

Você o marcou
E mais que ignorou
Em dois pedaços rasgou
Simplesmente o quebrou

Eu queria admirar teu sorriso
Queria aquele gosto comigo
Será que valeu a pena conhecer essa sensação?
Aquelas estrelas para sempre de nós se lembrarão.

De olhos fechados, tonturas
Lembranças do seu gosto
Do seu cheiro, inesquecível
Te esquecer é impossível.